sábado, 16 de agosto de 2008

Com tanto e sem nenhum.


Em Sao Paulo (nao sei nos outros estados) somos habituados a poder comprar, pronto e em latas ou vidros, compota de figo verde. Mas como sempre, por estas paragens...
E agora por aqui, entre tantas outras frutas, o figo domina.
E se encontram em quantidade nas figueiras centenarias, ao lado de ruinas de casas colonicas mais centenarias ainda, aqui em torno de casa.
Penso que qdo estas casas ainda estavam inteiras e eram habitadas por camponeses empenhados, aquelas frondosas arvores carregadas de seus frutos abandonados tiveram, as duas, seus momentos melhores.
Hoje estas casas vazias, com suas pedras e traves de madeira que arcam e tombam com o peso de seus séculos, ficam ombro a ombro com a sombra das frondosas, velhas e ainda verdes, companheiras que lhes oferecem os seus frutos, caidos sobre a terra que as sustentam.
E nos meus passeios diarios, entre recordaçoes de gostos familiares e o sentimento de pena frente ao disperdicio de tantos e tantos frutos, me meto a fazer uma coisa que, nem por sonho, eu fazia antes: figo verde em calda.
Muito misterioso, para mim, como tudo aquilo que nunca afrontamos antes. E por isto mm, resolvi me enfronhar no assunto antes de colher os tais figos. E assim iniciei dando uma pesquizada que, começando por minha mae, minha fonte para assuntos caipiras, terminou no Google. E isto ja ha dois anos.
Percebi, ja de partida, que as variedades de figos daqui me poupavam de ter que me desfazer da cobertura, assim um tanto pilosa, daquela nossa mais comum, digo aquela dos supermercados. Pq o resto é todo, e absolutamente, facil!
Digamos assim: ao menos que ja se encontrem assim para comprar, o a coisa mais dificil seria colher os figos verdes, enfrentando aquele leite branquinho e viscoso que eles soltam. Boh! Mas, francamente, isto nem é nada assim de tanto complicado, tb.
Para explicar, usarei quantidades meio que ficticias ja que a coisa vai bem, mm, é a olho!
Fica muito parecida com aquela comprada pronta, que eu me lembre. Sem esquecer da vantagem de nao ter os "...antes" que as industrias colocam nela.
E serve para usar em uma monte de coisas, lembrando sempre, é claro, que tb pode ser comida sozinha.
Mas a minha opçao preferida, e muuuito boa, é aquela acompanhada por sorvete de creme, junto com uma caldinha rala de chocolate amargo temperada com mel e especiarias.
E é assim.

Compota de Figo Verde
300g de figos verdes, com cerca da 1/2 do seu tamanho normal
1 colher de cha de bicarbonato de sòdio
2 litros de agua (+-)
Para a calda:
1 copo de açucar
1 copo de agua
cravo e canela, em pau, a gosto
folha de figo, opcional
Devemos cortar todos os cabinhos dos figos, apenas até que se exponha um botaozinho de suas polpas e, depois, lavar-los bem.
Levar para ferver por 10 minutos com a agua e a colher de cha, bem cheia, de bicarbonato.Escorrer toda a agua, enxaguar e reservar.
Se por acaso o figo for daqueles "peludinhos", sei que aconselham a eliminar esta cobertura. E, que eu tenha visto, é assim: apenas escorrida a agua quente, colocar-los em um saco plastico meio fechado (para nao prender o vapor) e friccionar até que esta pelicula se solte.
E nao me perguntem mais que isto, que eu tb nao achei a explicaçao.
Dai é lavar bem e reservar.
Mas se vc curtir o aspero da casca do figo ou o seu caso for igual ao meu, salte esta parte, é obvio...!
O outro passo é fazer uma calda misturando as xicaras de açucar e agua, com o cravo e a canela. Deixando no fogo por alguns minutos, até se fornar um xaropinho ligeiramente corposo.
E, como bem observou minha mae, se a calda puder ter em sua confecçao tb a folha do figo, que esta ficara muito mais aromatizada e saborosa.
De qq maneira, apenas ela seja feita, unir os figos que estavam reservados, e deixar em fogo médio e sem tampa por outros 10 minutos.
E pronto!
Se for usar em um periodo breve, basta esperar esfriar e levar à geladeira.
Mas se for conservar, basta colocar em vidros proprios e esterilizados, ainda bem quentes, com a calda cobrindo tudo, até a boca, e fechar bem.
Eu, por garantia, levo os vidros com a tampa virada para baixo, em uma panela de pressao, pondo agua até quase a meia altura deles, deixando ferver cerca uns 20 minutos.
Depois armazeno sempre com a tampa girada para baixo.
Assim o conteudo assentado sobre a tampa, ficara na parte inferior, vedando a entrada do ar. Enquanto o ar, que possa ter ficado ali dentro, permanecerà esteril e isolado la em cima, em contato com o fundo do vidro.
Mas obvio, pessoal...esta tal da tampa deve ser metalica e fechar, muito, mas muito bem mm!
Para isto, evitem os tantos vidros com tampa plastica que temos em casa. E testem os outros que vcs escolherem, para ver se nao vazam agua, antes de estilizar-los, ok? Uma coisa onde, de novo, a panela de pressao é sempre essencial, pq funcionando como uma verdadeira auto-clave: improvisaçoes de uma ex-dentista...
A calda de açucar, assim como o sal, em altas concentraçoes, ja conservariam longe os microorganismos, se os envolvessem totalmente. Mas nunca é demais dar este extra para garantir isto, assim como faziam as nossas avòs e bisavòs.
E vc saberà que o sistema foi eficiente, em manter asséptico o conteudo, qdo ele oferecer resistencia para abrir, tal e qual aqueles vidros de conservas e geléias industriais.
E um aviso de um burro que qdo fala o outro abaixa a orelha: nao vai fazer isto e depois colocar o vidro na despensa, esta bem? Pq se abriu: comeu.
E nao se esqueçam de escrever ou de etiquetar, informando a data e do que se trata, ok?
Se vcs gostarem de figo verde em calda, assim como eu, é uma das banalidades que vale a pena tentar!


5 comentários:

Adriana disse...

Oi Clau , eu amo figo , em caldas, cristalizados , ao natural, secos , de qualquer jeito, aqui em casa eu nunca faço pois só eu como , agora estou melhorando, pode acreditar foi uma semana péssima na cozinha, rsss.
Mas estou melhorando sim.
Um grande beijo e bom domingo.

Dani Rollemberg disse...

Meu marido é louco por figos em compotas.
Vc está de parabéns, Clau, pelo texto e pelas receitas.
Adoro ler sobre os seus passeios e viajo junto contigo.
Consegui vislumbrar as casas coloniais e as figueiras carregadas.
Passar por aqui me deixa com as energias recarregadas.
Excelente semana!!
Bjs mil

clau disse...

Adriana: uma boa semana para vc tb!E vc se dizer "péssima" na cozinha, deve significar que estava com febre, gripada. Bjs!

Dani:nem sei como agradecer pelo que vc disse pq, me acredite, fiquei até meio sem graça. Hoje até durmo melhor sò de me lembrar dos seus elogios: valeu, meu obrigada e bjs!

Fábio Adiron disse...

Me lembrou minha avó Maricota (você conheceu), era mestre em fazer esse doce.

clau disse...

...a sua avò Maricota...
Sim, me lembro dela.
E da sua fama, consolidada, de boa cozinheira, tb.
Impressionante como as coisas tem estes dom de nos transportar à recordaçoes assim...
Bjs!